Crônicas da cidade: Lugar ao sol.

by - terça-feira, agosto 30, 2016

Obtive uma fuga do natural.
Despretensiosamente, cogitei a ideia de que não exista um lugar ao sol para todos.
Izabel percebeu que já era tempo de esquecer as histórias utópicas, seus super-heróis, o sonho de criança e a esperança de dias melhores. Afinal, a melhora é apenas uma expectativa,não um estado.
Chegou em casa, tirou suas meias surradas e pôs uma pantufa, sentindo-se com 70 anos. Ligou seu notbook, pegou a xícara de café amargo e começou a vagar por sua vida virtual. Quantos sorrisos ilusórios e finais de semana inesquecíveis na tela azul. Uma curtida, dois comentários, lágrimas em silêncio.
Derramou-se num estado de profundo ressentimento, por situações que ainda não viveu. Chorou, por longos minutos, pela vida que criou e tampouco viveu. Agonizou por entre os traços da memória, daquelas que se assemelham a fotos amareladas, no porta retrato empoeirado da estante esquecida.
Seu sorriso tão pouco importava. Quem vive na escuridão não precisa de reconhecimento – tão pouco o
tem. Nem todos conseguem um lugar ao sol: é preciso acostumar-se com a sombra.
Limpou as lágrimas e publicou sua última foto, num misto de narcisismo e angústia. Um perfeito retrato do encantador desespero humano.


You May Also Like

4 comentários

  1. Amei, texto maravilhoso!
    Como você consegue escrever tanto textos maravilhosos? haha
    Beijoo

    ResponderExcluir
  2. Nossa... que texto forte!!!
    Você escreve muito bem!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir